Em Algum Lugar nas Estrelas, Clare Vanderpool – Vale a Pena?

25 abr

em algum lugar nas estrelasSinopse: É um romance intenso sobre a difícil arte de crescer em um mundo que nem sempre parece satisfeito com a nossa presença. Pelo menos é desse jeito que as coisas têm acontecido para Jack Baker. A Segunda Guerra Mundial estava no fim, mas ele não tinha motivos para comemorar. Sua mãe morreu e seu pai… bem, seu pai nunca demonstrou se preocupar muito com o filho. Jack é então levado para um internato no Maine (o mesmo estado onde vivem Stephen King e boa parte de seus personagens). O colégio militar, o oceano que ele nunca tinha visto, a indiferença dos outros alunos: tudo aquilo faz Jack se sentir pequeno. Até ele conhecer o enigmático Early Auden. Early, um nome que poderia ser traduzido como precoce, é uma descrição muito adequada para um prodígio como ele, que decifra casas decimais do número Pi como se lesse uma odisseia. Mas, por trás de suadarkside logo genialidade, há uma enorme dificuldade de se relacionar com o mundo e de lidar com seus sentimentos e com as pessoas ao seu redor.

Fantasia/Aventura   |   288 páginas   |   Avaliação 3 / 5

   Jack é um menino assombrado pela dor da perda de sua mãe. A mulher era seu universo, e vê-la partir causou vários danos em seu coração. Seu pai, quem não tinha muito contato, acabou levando-o para um orfanato e lá foi onde conheceu Early Aden, um garotinho doce e sensível ao mundo ao seu redor. 

18175906_1393590937368128_104527910_o

” – Somos parte da mesma constelação, seu pai e eu – ela dissera naquele dia – Só que ela não está em nenhum livro. […] Ouvir minha mãe era como ler poesia. Eu tinha que alargar a mente para entender o que ela queria dizer. E mesmo quando entendia, de vez em quando eu tentava resistir, não absorver o significado” (p. 48).

   Early, apesar de não citar em parte alguma durante a narrativa, é autista. Explica a autora, nas considerações finais do livro, que o termo não era comum na época. Isso faz com que o garoto apresente certos “dons”. Ele é mais abrigado em sua própria mente, e enxerga coisas que quase ninguém vê ou se importa o bastante para compreender, como, por exemplo, a morte de seu irmão, Fisher. Ele tem provas contra a veracidade do fato, então resolve sair em uma busca de Fisher. De algum modo, Early associa a vida de seu irmão com os números de Pi. Acreditava que cada número contava um momento da história de Fisher.

18109929_1393579700702585_2111850642_o

“Era assim que as coisas funcionavam com Early. Ele podia ter a mesma informação que todo mundo tinha, mas, para ele, o significado era diferente. Ele via o que ninguém mais percebia” (p. 248).

   Com a aproximação a Early, Jack não pôde deixar seu amigo ir a uma procura suicida, e foi junto. Com o tempo, foi percebendo que havia muito mais do que os olhos podiam ver. Nessa viagem eles se deparam com piratas, ursos e pessoas incomuns.

18176067_1393579707369251_1057779663_o

“Não tinha certeza de que Early sabia para onde íamos, mas eu estava ali e iria com ele até o fim” (p. 112).

   Sendo bem sincera, o que me atraiu foi a capa. Se você não comprou um livro pela capa não sabe o que é agir por impulso hahahah Se a cover é assim tão maravilhosa (a capa mais linda da minha estante <3), imagine a história por dentro dela! *.* Pois é, pensei desse modo. Quem nunca? Mas isso não aconteceu por aqui. Me apaixonei pelos garotinhos, pela relação entre mãe e filho de Jack e pela escrita. E só. O ambiente promete muito. A época em que se passa a narrativa (Segunda Guerra Mundial) dá aquele gostinho de quero mais, o mesmo quando li A Menina Que Roubava Livros, porém o cenário temporal vai se estender somente como algo secundário e totalmente descartável. A história poderia ter acontecido em outra época e mesmo assim daria para contá-la sem problema algum, só fazer uns reparinhos aqui e lá. 

   Quero destacar a escrita novamente porque ela é simplesmente magnífica! Em determinados momentos, a autora descrevia situações que nem eram pra tanto, mas o modo como a Clare posicionou os ocorridos é o que fez toda diferença!

18175547_1393579697369252_1708989527_o

“Minha mãe era como a areia. Do tipo que o esquenta na praia quando você sai da água tremendo de frio. […] Ela também era como a areia que os arqueólogos escavam. Camadas e camadas de areia mantiveram os ossos dos dinossauros juntos por milhões de anos. E por mais que a areia fosse quente, árida e simples, os cientistas agradeciam por ela, porque sem a areia para manter os ossos no lugar, tudo teria se espalhado. Tudo teria desmoronado” (p. 26).

“Minha mãe tinha razão. Nossas vidas são todas entrelaçadas. É só uma questão de ligar os pontos. Continuo esperando que ela apareça em algum lugar dessa história” (p. 275).

Até a próxima!

 

  • Categorias: Ação e Aventura, Resenhas