Categoria: 8 de maio de 2017

[Resenha] 79 Park Avenue, Harold Robbins

8 maio

79 park avenue resenhaSinopse: Uma investigação sobre a elegante agência de modelos na Park Avenue, em Nova York, revela que por trás daquela fachada, lindas jovens eram levadas à prostituição e exploradas por um sindicato de gangsters. Na direção da agência está Maryann Flood, a inesquecível call-girl com um código de ética que a violência do padrasto, o reformatório e a vida na prostituição não haviam transformado num ser humano de segunda classe. Levada aologo nova cultural banco dos réus no Tribunal do Júri, Maryann vive uma estranha contradição: deseja sucesso à acusação, pois Mike Keyes, o Promotor, foi o único homem a quem amou em toda vida.

 

Drama/Romance   |   310 páginas   |   Avaliação   2 / 5

   Minha mãe leu esse livro em 1987 e desde então ele ficou guardado. Enquanto estava organizando meus livros, o encontrei e resolvi que um dia leria. Ela disse que se parecia muito com Sidney Sheldon, e até achei algumas resenhas onde as pessoas diziam a mesma coisa. Acontece que, na minha humilde opinião, 79 Park Avenue poderia ter ficado na gaveta.

   Li que esse livro tinha um quê de Sheldon só que mais ousado, e gente, isso não faz sentido algum. Por mais que a sinopse seja instigante e provocadora devido a seus temas polêmicos, o considero bem fraco. Os diálogos não form sujos, agressivos ou marcantes, não teve nenhuma cena de sexo e tampouco um andamento na proposta do livro. Essas são umas das marcas nas obras de Sidney Sheldon. 

18175360_1393684937358728_11880326_o

   A proposta que a trama fundamenta é a expectativa de uma audiência a qual Maryann Flood está sendo acusada de orquestrar e proteger um esquema de prostituição de jovens garotas. Acontece que, para ela ter chegado até ali, ocorreram inúmeros fatores em sua vida, então o autor  volta desde sua adolescência a fim de explicar toda sua trajetória dentro do mundo da prostituição. O curioso é que o leitor vai descobrir que não foi escolha dela estar na direção de todo esquema, o que até provocará um leve sentimento de comiseração em relação a Maryann.

   O julgamento já está a caminho, mas o mesmo não tem desenvolvimento. Durante o livro inteiro nós somos guiados ao passado da mulher. Quando garota, Maryann só tinha sua mãe e um padrasto canalha. Ela o provocava bastante, pois somente a sua mãe trabalhava para poder sustentar os três. A garota era descrita como extremamente bela, o que a possibilitou de tirar certas vantagens de homens ricos. Diante de todos os olhares que ela tinha, só um a interessava: o de Mike Keyes. Desde que se conheceram, ele fora o primeiro homem que a enxergou como quem verdadeiramente era. Uma mulher que desejava o mesmo que qualquer outra. Família, lar e tranquilidade. A viu desprovida de todo luxo que a encobertava. Viu seu coração. O mais doloroso era que o homem exercia a profissão de advocacia e era ele quem a acusava.

“Sentia, porém, que precisara mais de mim nessa época do que em qualquer outra de sua vida. E minha conclusão única era de que eu lhe havia falhado” (P. 150).

   Entretanto, o romance entre eles sempre fora muito conturbado. Ross, um amigo de longa data, tinha uma paixão louca por Maryann, o que causou grandes problemas para ela, pois, por mais que quisesse seguir seus caminhos, o homem a perseguia. Não vou defende-la também. Ela fez muitas coisas idiotas e poderia ter trilhado caminhos diferentes, mas para tudo tem uma escolha e suas escolhas não foram tão louváveis, por mais que seu passado tenha realmente sido difícil.

” – Você é o tipo de problema que eu gosto” (P. 193).

   Nenhum personagem me deixou realmente entusiasmada. Só o Mike, que foi a melhor pessoa do livro. Uma pena que as cenas em que ele aparecia foram poucas. Nas demais, eram sempre com Maryann. Os capítulos não são tão longos, fluem bem rápidos, apesar de não germinar aquela inquietação que faz nós leitores nos animarmos de abrir um livro. No mais, o considero bem fraco mesmo. Quando o autor termina de expor a caminhada da vida da mulher até o momento em que ela se encontra como réu, o livro basicamente termina. Ou seja, temos uma conclusão acerca de seu julgamento, mas o tempo todinho que percorre a obra é o passado. Então, basicamente, o porquê da obra é assimilar os fatos passados para entender a razão de Maryann Flood ter sido presa. Não espere um mistério astuto.

Até a próxima <3

  • Categorias: Resenhas, Romance e Drama