[RESENHA] Corte de Névoa e Fúria, Sarah J. Maas

3 set

corte de nevoa e furiaSinopse: Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys galera-recordque se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos.

Aventura/Fantasia   |   658 páginas   |   Avaliação   5/5   |   +16 anos

   Não poderia deixar de dizer que quem me indicou o livro foi a Ingrid do Resenha Atual. Nossos gostos são bem parecidos, mas ela AMA fantasia e eu já tenho um pezinho atrás com o gênero, mas devo dizer que ela acertou, pois eu não poderia dizer menos do livro: ele é incrível! Claro que sempre tem aqueles pontos que  gente não gosta, mas não são aqueles que faz comprometer a obra. 

   Corte de Névoa e Fúria é o segundo volume de uma trilogia. O primeiro, Corte de Espinhos e Rosas, já tem um espaço aqui no blog. Só clicar no título para ler a resenha *.* Se está a procura de uma fantasia que o faça gostar, trocar a visão embaçada que tem do gênero, esse é o livro que, sem sombras de dúvidas, eu indico!

corte de nevoa e furia

   As coisas já estão avançadas aqui. Muitas situações acontecem. Feyre deverá passar um tempo com Rhysand para cumprir seu acordo. Relutou muito para não ir, porém, mudanças em Tamlin a fez mudar de opinião sobre o Gão Senhor da Corte Noturna. Tamlin se mostrou possessivo e vingativo. Cuidar do coração de Feyre era a última coisa em que pensava. Queria proteger o físico da garota e dos demais habitantes de sua corte. Ela se sentiu tão pressionada e engaiolada, que jorrou aos quatro ventos em pensamento o quanto queria fugir do local. Acabou que Rhysand, através da conexão que tem com a moça (a tatuagem na mão), a ouviu e a levou para sua mansão. 

“Era mais fácil não precisas explicar mesmo. Não precisar contar a ele que, embora eu o tivesse libertado, salvado seu povo e toda Prythian de Amarantha… tinha me destruído. E achava que nem mesmo a eternidade seria tempo suficiente para me consertar” (p. 16).

“Havia tanto silêncio em mim, tanto… nada” (p. 140).

   O que Tamlin a escondeu, Rhysand expôs. Uma guerra estava travada e Feyre estaria disposta a ajudar no que fosse preciso para não destruírem a muralha que protege os humanos. Afinal, seu pai e suas irmãs ainda estavam lá. Seu povo habitava através daqueles muros.

   Feyre aprende a lidar com a nova ela, uma feérica, imortal e poderosa. Além disso, as lembranças do combate com Amarantha e do que a bruxa a fez passar inundava sua cabeça, embrulhava seu estômago e escapava por sua boca. Rhysand, misterioso e reservado do jeito dele, se aproxima dela. O laço entre eles vai mais além que a magia da marca na mão de Feyre. Rhysand não a tratava como uma boneca de porcelana. Ele a fazia ver sua força.

“Ninguém era meu mestre, mas eu podia ser mestre de tudo se quisesse. Se ousasse” (p. 338).

“Amor; amor era um bálsamo, tanto quanto um veneno” (p. 652).

   Vocês podem esperar bastante ação do livro. Vale destacar que a cesura é 16 anos, então, como disse a Ingrid ao me indicar “O pau vai comer solto” hahahah 

Até a próxima!

  • Categorias: Ação e Aventura, Resenhas